Por Daniele Lopes
O deputado questionou o presidente sobre o alto valor pago pela energia no Estado e o fato de são Paulo estar na contramão do governo federal, que possibilitou a redução da tarifa de energia no Brasil.
infra 2606
 
Na tarde dessa terça-feira (25), o deputado Alencar, na condição de presidente da Comissão de Infraestrutura da Assembleia, recebeu o Sr. Mauro Arce, presidente da Cesp (Companhia Energética de São Paulo), que foi convocado pela Casa a prestar informações sobre a decisão da Companhia de não renovar a concessão de três hidrelétricas, de acordo com os termos da Medida Provisória nº 579, proposta pelo governo federal, impedindo assim que a redução dos encargos setoriais, sobre a modicidade tarifária no Estado de São Paulo.
Durante a audiência, Alencar questionou o presidente sobre o alto valor pago pela energia no Estado e o fato de São Paulo estar na contramão do governo federal, que possibilitou a redução da tarifa de energia no Brasil.
“Gostaríamos que o governo do Estado também fizesse a sua parte e aderisse ao programa federal, no sentido da gente baratear o custo aqui no Estado de são Paulo”, disse o deputado.
Segundo ele, houve muitas contradições nos argumentos apresentados pelo presidente, mas no geral o debate foi bom.
Para o presidente da Federação dos Trabalhadores na Indústria Urbana do Estado de São Paulo (FTIVESP), Sr. Gentil Teixeira de Freitas, a atividade “foi importante para esclarecer questões que ficam escondidas na caixa preta e a população não fica sabendo de fato o que esta acontecendo”.
Para ele, o presidente da Cesp “veio à Comissão defender a posição do partido dele [PSDB], dizendo que os motivos para a não renovação é de que a empresa iria quebrar caso aprovasse essa nova concessão, essa nova regra. Em nosso entendimento, não é bem assim. Foi feito uma conta e a lógica é muito simples, a lógica do capital, ou seja, eles continuam operando por mais dois anos, com a tarifa anterior em detrimento da população como um todo, e em 2015 vão participar novamente do leilão já na regra atual. Portanto eles vão ser meramente manutenção e operação e com isso será um valor menor do que eles estão captando hoje. O PSDB de fato não quis renovar as concessões no Estado de São Paulo, Paraná e Minas Gerais”, afirmou Gentil.
No mesmo dia, também foi aprovado na Comissão, outro requerimento convocando novamente o Sr. Mauro Arce, juntamente com o Secretário de Energia do Estado de São Paulo, Sr. José Anibal para aprofundar o debate.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *