Golpe e revanchismo não!
A decisão de Eduardo Cunha de autorizar a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, em retaliação ao PT, coloca em situações opostas um deputado com denúncias no Supremo Tribunal Federal (STF), contas na Suíça e mandato em processo de cassação pelo Conselho de Ética da Câmara; e uma representante eleita presidente com 54 milhões de votos e nenhum ato ilícito praticado. Acima das divergências políticas, prevalece a democracia, que não pode ser derrotada por chantagistas que colocam seus interesses pessoais e escusos em primeiro plano.
#DilmaFica
#NaoaoGolpe
 
destaque dilma